Que delícia de cozinha!

Ao conquistar um atmosfera luminosa, móveis novos e detalhes charmosos, o ambiente capixaba se tornou mais que perfeito para toda a família.

A dentista Nikândara Onofre de Medeiro Guedes buscava ideias acessíveis para decorar o apartamento em que vive há dois anos com o marido e o filho, em Guarapari, ES, quando descobriu a revista Minha Casa. “Fiquei tão admirada com as reformas publicadas que me inspirei para modificar o banheiro”, conta a moça. Sua cozinha também pedia uma reformulação, então entrou em cena a arquiteta Júlia Cruz, de Vitória, e pôs fim aos problemas mais visíveis – a exemplo da falta de claridade e de bons armários – e trouxe soluções que levantaram o astral da área, como os mosaicos de azulejos, o quadro-negro para o cardápio do dia e até uma fruteira suspensa. Afinal, por que ter um ambiente apenas funcional se é possível ter um cheio de atrativos?

“Do que eu mais gostei? De tudo! Ficou na medida dos meus sonhos, além de muito mais convidativo e acolhedor para meu filho, Arthur.” – Nikândara, a moradora.

Em prol da claridade, o branco se instalou de ponta a ponta

O fato de o espaço ser escuro demais era o maior incômodo para a moradora. Para solucionar a questão, a arquiteta atacou em duas frentes: instalou um par de luminárias do tipo calha, com lâmpadas fluorescentes, e elegeu para o ambiente uma base branquíssima.

No lugar do piso cerâmico cinza, entrou em cena um modelo do mesmo material, porém de visual mais leve e moderno.

Em vez de trocar os azulejos, Júlia os pintou com tinta epóxi, medida que poupou tempo e dinheiro.

Para reorganizar o espaço de trabalho, dividiu-se o novo tampo de granito em áreas seca e molhada – uma de cada lado do fogão.

Revestimentos que escapam do lugar-comum criam pontos de atração. Veja como os mosaicos de azulejos e as faixas espelhadas logo acima deles valorizam ambos os trechos da bancada.

Uma chapa galvanizada na superfície atrás do fogão facilita a limpeza da gordura.

“E sai bem mais em conta do que uma versão de aço inox” – ressalta a profissional.

Nikândara lamentava a qualidade dos armários herdados dos antigos donos do imóvel: “Além de pouco espaçosos eram feios e diferentes entre si”. A história mudou com a chegada de módulos neutros e elegantes, todos da mesma linha (Unique, da Kappesberg).

Ideias incríveis e fáceis de copiar apimentar a área

A confecção da fruteira suspensa empolgou tanto a arquiteta que a peça virou seu xodó. “Visitei lojas populares e uma casa de ferragens para garimpar os materiais necessários: três cestas metálicas, uma corrente e um gancho. O bom é que gastamos pouco para criar um utensílio bonito, diferente e realmente útil.”

O quadro-negro empresta descontração ao espaço. No retângulo feito com tinta esmalte fosca, Nikândara pode anunciar o cardápio do dia, anotar recados ara a família e, por que não, deixar o filhote, Arthur, registrar suas obras de arte. As bordas decoradas dão o arremate gracioso: “Encomendei o desenho ao escritório Gota Design e mandei imprimir em adesivo vinílico”, relata Júlia.

Alegre e confortável, o canto de refeições até parece outro

Nessa área, a superfície azulejada estava em mau estado, por isso foi preciso emassá-la antes da pintura. “Já que a cerâmica havia sido coberta, não tivemos de recorrer novamente ao epóxi, que não é lá muito barato”, diz a arquiteta, justificando a opção pela tinta acrílica, também resistente à umidade. O tom de amarelo (Explosão de Estrela, ref. 19YY 51 758, da Coral) é caloroso, tal qual a moradora imaginava sua cozinha dos sonhos.

A mesa convencional foi aposentada, abrindo espaço para uma bancada de MDF presa à parede com mãos-francesas. No lugar das cadeiras espremidas, vieram despojadas banquetas. “Quando não estão sendo usadas, vão para baixo do tampo, liberando a circulação”, aponta Júlia.

Prateleiras favorecem a ordem: enquanto a mais alta abriga itens pouco demandados, como panelas de barro e alguns eletroportáteis, a outra deixa à mão os mantimentos. A graça está nos detalhes, como as canecas penduradas em ganchinhos e as mãos-francesas em estilo colonial. 

Corredor bem aproveitado

Para driblar os incovenientes da planta estreita, o uso do espaço aéreo fez diferença: paneleiros altos (1), módulo suspenso generoso (2) e uma extensa prateleira (3) desafogam, principalmente, o canto de refeições (4).

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s