Cozinha integrada e colorida

Com 7,70 m², ela não poderia ser mais exibida: inteiramente visível da sala, atua como anfitriã à porta de entrada, recebendo as visitas com muita pompa. Cá entre nós, quem esconderia um ambiente tão charmoso?

Foi nos anos 1980 que surgiram por aqui as primeiras cozinhas americanas, com tímidas aberturas que formavam uma espécie de balcão. Aos poucos, a antiga área exclusiva para preparar alimentos foi mudando de status e incorporou outras funções. Virou também local de estar, comer e receber, fase em que as divisórias caíram de vez. Mas a opção de ter uma cozinha integrada requer dose extra de planejamento e organização. A pedido de MINHA CASA, o arquiteto Maicon Antoniolli, de São Paulo, projetou este ambiente como deve ser: prático, confortável e gostoso de ficar. “A iluminação bem pensada e a presença da madeira compõem um conjunto aconchegante”, afirma. A seleção de cores – que pode ser facilmente trocada – responde pela atmosfera alegre e jovial. “Os armários abaixo e acima da pia e o sofá da sala são neutros, combinando com qualquer tom que se escolha para as paredes. Basta refazer a pintura e o espaço se transforma.”

Injeção de jovialidade

Cozinha lilás não é uma ousadia? Pequenas doses de rosa, laranja e azul, em nuances variadas, conferem descontração ao ambiente.

Maicon equilibra a energia dessas cores com tons neutros: branco e bege são destinados às peças maiores. Nas paredes do estar, ele optou por um off-white levemente amarelado. “Além de refletir a luz com uma tonalidade mais quente, a tinta não contrasta tanto com a cozinha colorida.”

FOTOS LUIS GOMES

Bancada de mil e uma utilidades

Com 75 cm de altura, a peça de marcenaria, feita sob medida, atua como mesa de jantar, canto de refeições rápidas e até como aparador. “Além de ser mais confortável que um balcão com bancos altos, o móvel admite o uso de cadeiras, que podem ser viradas para a sala quando houver visitas”, ensina Maicon.

Na face voltada para a cozinha, nichos abrigam o micro-ondas e utensílios. “Vãos abertos são funcionais para os equipamentos e objetos mais usados.”

Repare nas chapas que compõem a bancada: de pínus, foram tonalizadas com tinta acrílica diluída e finalizadas com verniz fosco. “Dessa forma, o tom azul-acinzentado não esconde os veios da madeira”, diz o arquiteto. Para conseguir esse efeito, misturou-se uma parte de tinta (Lukscolor Luksclean, cor Rivoli, ref. LKS 137) a três partes de água.

Para a luminária articulada (combinou-se o braço de uma arandela com uma cúpula de tecido), uma lâmpada incandescente, de até 40 w, é a escolha ideal. “Esse tipo de luz reproduz melhor a cor dos alimentos, deixando a comida mais apetitosa.”

 

FOTOS LUIS GOMES

As cores são a fronteira. Na cozinha, a tinta lilás (Lukscolor Luksclean, cor Grape, ref. LKS 713) não absorve gordura e é lavável. A sala exibe o mesmo produto na cor London, ref. LKS 631.                             

FOTOS LUIS GOMES

Do estar se vê um local de trabalho organizado

A grande sacada a favor da ordem foi pendurar sobre a bancada da pia três varões de inox, que sustentam porta-condimentos.

Sob os módulos superiores fechados, duas peças abertas perderam o fundo: assim a parede lilás fica à mostra e ressalta as cores de utensílios e eletroportáteis.

Luz indireta produz um clima mais gostoso, o que também vale neste ambiente. No alto dos armários, a luminária direciona o facho para o teto. “O tubo fluorescente branco morno evita aquele efeito azulado indesejável”, diz Maicon.

Vamos combinar: quem tem uma casa linda de morrer precisa abrir as portas para mostrá-la. Nessa hora, a versatilidade do projeto é posta à prova. “Móveis leves, como banquinhos e mesas laterais, assumem várias funções e podem mudar de lugar para servir de assentos extras”, propõe o arquiteto. Outro exemplo são as cadeiras azuis – em dia de receber visita, basta voltá-las para a sala. Já a bancada, com seus confortáveis 60 cm de largura, automaticamente vira um prático bufê para bebidas e petiscos.

 

FOTOS LUIS GOMES

Composições descoladas afugentam a mesmice

Agrupados com estilo, quadros e objetos adquirem importância. Maicon sugere separá-los por cores, formatos ou funções – como o conjunto de ganchos junto à entrada. Mas nada de radicalismo! No arranjo acima do estofado, a forma geométrica dos quadros foi quebrada pela presença do espelho rococó. Cor e aconchego vêm com as almofadas.                                

FOTOS LUIS GOMES

 “Na parede oposta ao estofado, as telas ficam na altura do olhar de quem está sentado”, destaca o profissional. Uma delas foi parar no chão, rompendo com a sisudez do arranjo.

 E o banco virou rack: “Escapo do padrão adotando soluções com certo ar de improviso”. Na extremidade desse móvel, produz-se um canto de leitura, com abajur, poltrona e quadro Café caneca.                                                        FOTOS LUIS GOMES

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s