Horta cultivada em blocos de concreto e em paletes

A horta inusitada da família é plantada dentro de elementos estruturais, desses usados na construção civil, que funcionaram muito bem como vasos. De lá, além de boas lições, saem os temperos e as frutas para abastecer a cozinha no dia a dia.

Navegando na internet, a dona de casa Patricia Sena, de Resende, RJ, encontrou inspiração para cultivar suas hortaliças no quintal de um jeito simples e barato. Comprou dezenas de blocos de concreto, pintou-os e plantou as sementes. Aí, bastou esperar os canteiros germinarem, cada um em seu tempo. Aos poucos, a horta foi se incorporando à rotina dos moradores: todos os dias, o caçula, Matheus, vai até lá para acompanhar o crescimento dos morangos e verificar se já é tempo de colher as verduras. “Mais do que melhorar nossa alimentação, o plan- tio é um ensinamento de paciência e cuidado”, diz a mãe. Os filhos mais velhos, Marcos Paulo e Maria Eduarda, e o marido, o engenheiro Valdir Ciossani, também colocam a mão na terra e ajudam na manutenção.

Visual descontraído e montagem fácil são os trunfos desta horta

❚ Os blocos de diferentes tamanhos foram pintados com tinta acrílica e apenas apoiados no chão – como são vazados, drenam a água naturalmente. “Essa solução é ótima para quem não quer ou não tem como plantar diretamente na terra. Se um dia nos mudarmos, será só juntar os vasos e transportar o jardim inteiro”, diz Patricia. O canteiro principal, que ocupa uma das laterais do quintal, é separado do gramado por uma moldura de alvenaria branca – lascas de casca de árvore cobrem o solo. No lado oposto, os cubos ficam sobre a grama, contornados por seixos.

❚ A moradora semeou uma espécie em cada peça de concreto, e preocupou-se em eleger somente as que não exigem muito espaço para se desenvolver. Entre as escolhidas estão tomate- cereja, morango, tomilho, salsa, erva-doce, capim- cidreira e pimentas.

❚ Em paletes, o verde sobe pela parede. Patricia lixou e pintou os estrados e os aparafusou na alvenaria. As plantas vão dentro de bolsas de TNT, pregadas nas ripas de madeira. Assim, as águas da rega e da chuva não empoçam.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s