Dez sugestões de adegas e bares

Se você busca inspiração para um bar, confira os projetos a seguir, veja nossa seleção de produtos e aproveite a festa!

Jogar conversa fora enquanto todos desgustam suas bebidas favoritas é, para muitos, uma das partes mais prazerosas do ritual de receber visitas. Seja para anfitriões que gostam de exibir seus rótulos, seja para os que priorizam praticidade, ter um bar caprichado conta muitos pontos nessa hora. 

UM VÃO DE VINHOS 

Neste apartamento em São Paulo, o quarto de empregada foi incorporado à sala com a derrubada de uma parede. Em vez de fechar totalmente o vão da porta do antigo cômodo, que dava para a lavanderia, as irmãs arquitetas Ana Carolina e Mariana Lima Orsolini o aproveitaram para atender um pedido dos moradores: encontrar um espaço para expor sua coleção de bebidas. “Fechamos parte da abertura com alvenaria, e a marcenaria preencheu o restante”, conta Carolina. A peça de MDF com laminado no padrão freijó (0,75 x 1,70 m, Marcenaria Vida Nova) tem nichos horizontais e verticais. O acabamento na frente das prateleiras é um pouco mais alto, formando uma aba que impede que as garrafas deitadas rolem.

GORÓ NO COBOGÓ

Além de conferir charme aos ambientes, os cobogós servem para construir divisórias que permitem a passagem de luz e ar. A designer de interiores Stela Sartori e a arquiteta Gabriela Sartori, mãe e filha, encontraram outra função para esses blocos. Na sala que projetaram para a mostra Polo Design Show 2014, elas usaram um modelo de louça com abertura cilíndrica a fim de criar uma adega diferente. “Para quem quer gastar menos, é possível usar peças de cerâmica ou de barro, pintadas ou na cor natural”, aponta Stela. É o caso do similar Reto Redondo , ref. 02, de 18 x 18 x 6,8 cm*, da Cerâmica Martins (Leroy Merlin). Para impedir que eventuais esbarrões derrubem as garrafas, uma chapa de vidro foi posicionada atrás da estrutura, a cerca de 15 cm. 

DEIXE O VINHO DE LADO 

A parte lateral de um balcão costuma passar despercebida. Mas na sala deste apartamento paulistano, projetado pela arquiteta Giselle Macedo e pela designer de interiores Patricia Covolo, a história não se repete. Isso porque, em nome do aproveitamento de espaço, a dupla resolveu embutir ali uma adega, que conjuga funcionalidade e efeito decorativo, uma vez que cria um ponto de interesse em uma superfície que, de outra forma, seria desprovida de atrativos. A bancada de madeira de demolição (2,35 x 0,46 x 0,95 m) na divisão entre o estar e a cozinha, executada pela Marcenaria Tanabi, apresenta nichos, cada um com abertura de 10 x 10 cm e profundidade de 34 cm, que abrigam garrafas deitadas. “Escolhemos esse material porque queríamos um visual rústico e chique, mas MDF com acabamento em padrão amadeirado também funcionaria. O mais importante é que o móvel fique em um local sem incidência direta de sol, para não prejudicar a conservação das bebidas”, lembra a arquiteta.

CHAMPANHE NO LIVING…

Se espaço e orçamento permitirem, encomendar um móvel sob medida é a opção dos sonhos. “Em primeiro lugar vêm a necessidade e a praticidade – veja que bebidas mais consome, se precisa de uma chopeira ou de uma adega. A partir daí, planeje as instalações elétrica e, se for o caso, hidráulica. Por fim, defina o visual”, ensina o arquiteto Gerson Dutra de Sá, que criou, junto com Ana Lúcia Salama, o projeto ao lado para a Casa Cor São Paulo 2014. Os profissionais usaram a pintura em laca azul (ref. X 138, da Sayerlack), amarela (ref. L 077, da Sayerlack) e branca para destacar cada setor do bar. “Uma opção é apostar em diferentes tons de uma mesma cor”, indica Gerson.

…OU GELADA NA SALA

Quem se encontra em um cenário oposto ao descrito acima – com área e verba contadinhas – também pode montar um bar charmoso em casa. Um móvel com medidas enxutas, como o da foto, já resolve a questão. De MDP com acabamento finish foil (impressão envernizada), o Laguna , da Politorno (Mobly), mede 53 x 41,5 x 86,8 cm e é dotado de rodízios, que facilitam o transporte pela sala ou da cozinha para a varanda. A porta de vidro possibilita manter os itens a salvo do pó e, ao mesmo tempo, exibi-los – explore as cores de copos, latas e garrafas para ajudar a compor a decoração!

SOBE PELA PAREDE 

Os pôsteres de bandas de rock e os móveis com estampas imitando recortes de jornais e revistas na sala de seu apartamento em Santo André, SP, evidenciam o gosto do professor Alessandro Perussi por uma decoração descontraída. Nada mais natural, portanto, que ele seguisse o mesmo espírito na hora de montar o bar. O morador escolheu uma estante ( Brick , de MDP com laminado melamínico, nas medidas 87,6 x 20 x 60 cm. Tok&Stok,) e fixou-a deitada na parede, de modo que os nichos maiores ficassem na posição vertical e, assim, pudessem acomodar as garrafas. Nas divisões menores, quadradas, Alessandro colocou miniaturas e objetos decorativos. Para completar o clima boêmio, ele caprichou na parede, que ganhou uma placa de marca de cerveja, um quadro reunindo bolachas de chope e um letreiro luminoso piscante (modelo Bar , com minilâmpadas de LED, 48 x 25 cm. Eletrônica Castro).

RESERVA PARTICULAR

Um visual mais discreto, com o bar quase camuflado em meio à decoração, foi conquistado no projeto que a designer de interiores Joelma de Oliveira criou para a sala deste apartamento na capital paulista. Para tanto, ela desenhou um móvel multifuncional que atua também como cristaleira e aparador. “Além de nichos para taças e garrafas, planejei uma abertura na face traseira, que promove a ventilação necessária para o correto funcionamento da adega climatizada da moradora”, aponta. Executada pela marcenaria Archetipo Disegno, a peça (1,07 x 0,50 x 0,88 m) apresenta pintura em laca (ref. Y 168, da Sayerlack) no mesmo tom de azul presente em outras partes do ambiente.

COQUETEL ESPREMIDO

A arquiteta Renata Cáfaro quis aproveitar cada canto do apartamento-modelo que projetou para a Diálogo Engenharia, em São Caetano do Sul, SP. “A ideia do bar surgiu para transformar o espaço perdido atrás da porta em algo útil”, conta. Assim, ela instalou no pequeno vão uma prateleira (de MDF, com acabamento no padrão tabaco, 80 x 25 x 3 cm, da Prat-K. Walmart) para apoiar garrafas e copos. A fim de incrementar o cantinho, ela optou por um adesivo de parede (fora de linha. Similar: Martini Preto , 22 x 30 cm, da Kapos. Leroy Merlin).

FAÇA SUA PRÓPRIA ADEGA

O engenheiro paulistano Daniel Miranda precisou usar a criatividade para armazenar as garrafas de vinho que arrematou em uma promoção. Com a ajuda de um marceneiro, ele confeccionou um suporte com uma barra de pínus de 7 x 7 cm, com 1,20 m de comprimento. Após fazer as marcações (veja abaixo) , prendeu a madeira em uma bancada com um sargento e a perfurou, usando a furadeira com broca chata de 3,5 cm de largura – primeiro, deixando a ferramenta perpendicular à barra até atingir 0,5 cm de profundidade; depois, inclinando-a levemente para baixo, até atravessar completamente a barra. Por fim, bastou lixar e aplicar duas camadas de stain no suporte. Depois de seco, foi fixado com quatro cantoneiras no encontro das paredes.

NÃO MARQUE BOBEIRA

O primeiro orifício deve ficar a 4,5 cm do topo da barra. O espaço entre o ponto médio do primeiro e do segundo furo deve ser de 12 cm, e esse mesmo intervalo tem de ser mantido entre os demais. Na outra face da barra, o primeiro orifício precisa ficar a 10,5 cm do topo. Desse modo, os furos ficarão intercalados, e as garrafas poderão ser colocadas em ambos os lados do suporte

TROCANDO AS BOLAS 

Nada impede que o canto das bebidas seja montado em uma peça originalmente destinada a outra finalidade. “Um móvel não só pode como deve ser multiúso. Não existem regras – o perfil da pessoa é que define os limites”, considera o arquiteto pernambucano Rafael Amaral Tenório. A ideia é ilustrada pelo aparador (modelo Dio , de MDF com pintura de alto brilho e bordas de PVC, 1,36 x 0,35 x 0,87 m. Tok&Stok) que, em seu projeto para o apartamento paulistano do amigo e conterrâneo, o comediante Murilo Gun, foi convertido em bar. A principal recomendação do profissional é priorizar a funcionalidade. Aqui, por exemplo, as taças menos utilizadas ficam nas divisórias inferiores, enquanto a coleção de garrafas de cachaça fica exposta no nicho maior, intermediário. “Nas gavetas, sempre à mão e protegidos da poeira, ficam os copos de chope, acessados com mais frequência”, aponta Rafael. Sobre o tampo, fica a vedete do morador, a chopeira ( Bartender B100 Heineken , da Krups. FastShop).

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s