5 dicas de especialista para integrar as salas à cozinha

Confira as soluções criativas do projeto da arquiteta paulistana Viviane Gobbato que deram personalidade e um ar moderno aos ambientes unidos

1. Cimento queimado sem limites

O revestimento escolhido para a parede da TV sobe pelo teto e ainda cobre as prateleiras. “A ideia foi conquistar um visual contínuo, além da sensação de um pé-direito mais alto”, diz a arquiteta.

2. Móveis despretensiosos

Nada de marcenaria na sala, pois esse recurso encareceria o orçamento. Sendo assim, Viviane abriu mão de um tradicional rack com painel e bolou uma composição simples com duas grandes prateleiras. “O resultado é similar e minimalista”, explica.

3. Tudo integrado e bem marcado

O estar foi dividido em duas salas: uma de TV e outra que funciona como um canto de leitura. Para setorizá-las, entraram em cena dois tapetes de formatos diferentes. “Para o home theater, apostamos em um maior e mais imponente”, comenta a profissional. Ao lado, um modelo redondo demarca a área menor. A cozinha também fica à mostra, porém de um jeito diferente – os moradores pediram uma cozinha americana, mas, como não havia espaço para a montagem de um balcão, a saída foi eliminar a porta e abrir ainda mais o vão. A viga do teto e a diferença dos acabamentos do piso delimitam os ambientes. Ao mesmo tempo, para amarrar o projeto, alguns elementos se repetem, como o tom de cinza do gabinete da pia (o mesmo das mesinhas do estar) e o da madeira peroba do módulo aberto (que também está na mesa de centro e no piso da sala).

4. De muitas formas

A mescla de elementos geométricos chama a atenção. “Quis trazer versatilidade e dinamismo ao projeto”, aponta Viviane. As linhas retas estão presentes na maior parte dos móveis e na estampa do tapete, que casa com o desenho de espinha de peixe do revestimento do chão. Em contrapartida, o formato redondo das mesinhas de apoio e o do tapete menor quebra essa monotonia.

5. Materiais atuais

Seguindo uma proposta contemporânea, a arquiteta apostou na composição de cimento queimado, metal (nos pés das mesas e nas luminárias) e cerâmica branca (no piso e paredes da cozinha). A base neutra é infalível, mas pediu boa dose de madeira para aquecer a ambientação.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s