Quarto de casal com iluminação suave e cores leves

O clima acolhedor deste dormitório é fruto do casamento da romântica paleta de tons pastel com o cuidadoso planejamento do espaço

Nada como começar o ano cheio de ânimo e disposição! Ter um quarto repleto de aconchego e beleza ajuda, claro, a renovar o pique. A pedido de Minha casa, as arquitetas gaúchas Cristiane Dilly e Ingrid Herbele, do escritório Dhuo Arquitetura, sediado em São Paulo, criaram um ambiente assim – e, de quebra, conquistaram visual sofisticado sem gastar muito. Elas tiraram máximo proveito da área apostando em móveis selecionados com a trena em mãos e em uma decoração que, apesar de enxuta, passa longe do básico. “Soluções simples, como a estampa de madeira de demolição na parede e os nichos com iluminação indireta, garantem o charme”, aponta Cristiane.

Suavidade não quer dizer monotonia

 (Jogo de cores/Minha Casa)

A paleta foi montada a partir do rosa e dos matizes neutros: o branco básico, o cinza – que compõe com discrição, mas tem personalidade – e os marrons amadeirados, que aquecem o ambiente.

Mesmo em tom rebaixado, o amarelo traz alegria e remete ao verão. Para não sobressair, os objetos dessa cor ficam em segundo plano. Pinceladas de azul complementam o projeto.

Conforto durante as noites, praticidade durante os dias

 (Luis Gomes/Minha Casa)

A cama box eleita tem tamanho queen, com 1,58 x 1,98 m. Apesar das dimensões generosas, esse modelo é também indicado para cômodos compactos. Com base de madeira do tipo baú, ele ajuda a otimizar o espaço, acomodando, no interior, mantas, cobertores, travesseiros extras e outras peças de uso menos frequente. A articulação com pistões a gás permite levantar o tampo sem maiores esforços – e o tecido antiderrapante que reveste o colchão impede que ele escorregue nessas horas.

A fim de facilitar o transporte e a passagem por portas e elevadores, a base é bipartida, ou seja, é formada pela junção de duas partes idênticas. Ao final da montagem, uma placa une as metades do tampo, para que se ergam ao mesmo tempo.

 (Luis Gomes/Minha Casa)

O guarda-roupa de portas brancas, com design limpo e puxadores embutidos, contribui para trazer leveza. “Um móvel com padrão todo amadeirado deixaria o visual muito carregado”, diz Cristiane. “Escolhemos esse modelo com sistema de abertura convencional pensando na equação custo mais design. Mas, em espaços menores, a solução é investir em um com portas de correr”, acrescenta Ingrid, lembrando que, para circular e abrir o armário com tranquilidade, a distância entre esse e  a cama deve ser de  pelo menos 60 cm.

 (Luis Gomes/Minha Casa)

O enxoval também precisa estar em sintonia com a decoração. “Aposte em tons neutros ou que façam parte da paleta que compõe o ambiente, como fizemos neste projeto. Uma alternativa é escolher apenas uma cor e explorar suas tonalidades, bem como combinar diferentes texturas e padronagens”, sugere Ingrid.

A saia, capa que cobre a base das boxes, é uma saída elegante para quem quer ocultar os pés da cama. “Além de ter essa função estética, serve como proteção extra contra a poeira”, afirma Cristiane.

Graciosa simetria: luz e aconchego para os cantos dele e dela

 (Luis Gomes/Minha Casa)

Atraindo os olhares logo acima da cama, a faixa que reproduz tábuas de madeira é um painel fotográfico importado, que mede 1,60 m de largura (mesma medida da cabeceira) e 1,40 m de altura. Impresso em papel matte (fosco), ele vem dividido em quatro partes e é aplicado com cola. “Escolhemos essa imagem para tornar o ambiente mais acolhedor”, diz Ingrid. Há várias opções de estampa a pronta entrega, mas também é possível encomendar  um modelo personalizado.

Painel e cama são ladeados por estruturas de drywall que vão do chão ao teto e medem 70 cm de largura e 10 cm de profundidade. Em cada uma delas, foi recortado um nicho de 0,50 x 1,50 m que revela um trecho de parede pintado de rosa- -claro. Para completar, spots direcionáveis de LED foram embutidos no gesso, criando uma iluminação indireta.

 (Luis Gomes/Minha Casa)

Um jogo de repetições tempera os dois lados, pensados como o canto da mulher, à esquerda, e o do homem, à direita. Os quadros nos nichos têm tamanho e moldura iguais, apesar de apresentarem cores e desenhos diferentes. Da mesma forma, os criados-mudos, brancos e com pés amadeirados, são idênticos, variando apenas nos itens  que acomodam – repare que, embora sejam  de modelos distintos, os abajures contam  com o mesmo acabamento metálico.

 (Luis Gomes/Minha Casa)

O piso vinílico que imita madeira reforça a atmosfera aconchegante. “É uma boa opção em termos de custo-benefício. Além de moderno, é um revestimento resistente  e que proporciona conforto térmico”, assinala Cristiane.

 (Luis Gomes/Minha Casa)

“É recomendável que cortinas de tecido leve, como estas, fiquem rente ao chão. Quem prefere um modelo mais curto pode optar por persianas – nesse caso, elas devem ultrapassar todos os lados da janela em pelo menos 10 cm”, ensina.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s