CASACOR São Paulo: 5 ambientes onde os revestimentos são os protagonistas

Longe da mesmice, as superfícies ganham acabamentos poderosos, como pedras, madeira colorida, cerâmicas, espelhos, ladrilhos e cobogós

O que parecem pedras na superfície do fundo da Cabana são peças cimentícias de formato irregular fixadas uma a uma e rejuntadas com argamassa. O trabalho é da loja baiana Fonseca Shop, que também forneceu o teto de bambu e as placas de granilite que cobrem o piso. Repare que os quadros não estão centralizados, dando um ar despojado ao ambiente, uma das marcas dos arquitetos Thiago Manarelli e Ana Paula Guimarães, que assinam a decoração.

O que parecem pedras na superfície do fundo da Cabana são peças cimentícias de formato irregular fixadas uma a uma e rejuntadas com argamassa. O trabalho é da loja baiana Fonseca Shop, que também forneceu o teto de bambu e as placas de granilite que cobrem o piso. Repare que os quadros não estão centralizados, dando um ar despojado ao ambiente, uma das marcas dos arquitetos Thiago Manarelli e Ana Paula Guimarães, que assinam a decoração. (MCA Estúdio/Minha Casa)

Materiais naturais conferem o tom rústico à Casa Raízes: pedras moledo na parede, toras de eucalipto e forro de palha no teto, sofá de palhinha e tapete de fibra de juta. O espaço é do Triplex Arquitetura, de Adriana A. Helú Hawilla, Carolina Oliveira e Marina Torre Lobo.

Materiais naturais conferem o tom rústico à Casa Raízes: pedras moledo na parede, toras de eucalipto e forro de palha no teto, sofá de palhinha e tapete de fibra de juta. O espaço é do Triplex Arquitetura, de Adriana A. Helú Hawilla, Carolina Oliveira e Marina Torre Lobo. (Renato Navarro/Minha Casa)

A cerâmica clara no espaço TOKI – Um Mergulho no Meu Tempo, da arquiteta Juliana Pippi, faz parte da linha Toki (tempo, em japonês), da Portobello. Destaque para o sofá índigo, tingido com a técnica shibori.

A cerâmica clara no espaço TOKI – Um Mergulho no Meu Tempo, da arquiteta Juliana Pippi, faz parte da linha Toki (tempo, em japonês), da Portobello. Destaque para o sofá índigo, tingido com a técnica shibori. (Denilson Machado (Divulgação)/Minha Casa)

O ladrilho hidráulico do piso da Sala de Jantar é assinado pela autora do projeto: a designer de interiores Naomi Abe. Espelhos posicionados atrás das paredes de cobogós cerâmicos (Revestt) dão sensação de amplitude.

O ladrilho hidráulico do piso da Sala de Jantar é assinado pela autora do projeto: a designer de interiores Naomi Abe. Espelhos posicionados atrás das paredes de cobogós cerâmicos (Revestt) dão sensação de amplitude. (Renato Navarro/Minha Casa)

A parede do Bar Lounge é de marcenaria feita de MDF rosé (Duratex). “Nos inspiramos em sapatilhas de ponta do balé. O movimento vem de três níveis diferentes”, dizem as arquitetas Cyane Zobol e Ana Elisa Hott, do CZHott Arquitetura.

A parede do Bar Lounge é de marcenaria feita de MDF rosé (Duratex). “Nos inspiramos em sapatilhas de ponta do balé. O movimento vem de três níveis diferentes”, dizem as arquitetas Cyane Zobol e Ana Elisa Hott, do CZHott Arquitetura. (Luis Gomes/Minha Casa)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s