13 espaços verdes com pergolado

De madeira, vidro e até alvenaria, as estruturas abaixo ajudam - e muito - a deixar as casas mais verdes

SOS CASA: Pergolado O deque e o pergolado de madeira grápia trouxeram aconchego ao espaço. Além de proteger da chuva, a cobertura de vidro acabou criando um novo ambiente íntimo para os moradores, com cadeiras de fibra sintética resistentes a bom e mau tempo. Projeto da arquiteta Lísia B. Behs.

O deque e o pergolado de madeira grápia trouxeram aconchego ao espaço. Além de proteger da chuva, a cobertura de vidro acabou criando um novo ambiente íntimo para os moradores, com cadeiras de fibra sintética resistentes a bom e mau tempo. Projeto da arquiteta Lísia B. Behs. (Foto: Julio Soares (RS)/Minha Casa)

Sob a cobertura do pergolado, a arquiteta Ana Claudia Baldacci colocou uma esteira de bambu que filtra os raios solares. Impermeabilizado, o muro ganhou módulos cerâmicos, também protegidos contra umidade e, então, pintados de preto a fim de ficarem camuflados.

Sob a cobertura do pergolado, a arquiteta Ana Claudia Baldacci colocou uma esteira de bambu que filtra os raios solares. Impermeabilizado, o muro ganhou módulos cerâmicos, também protegidos contra umidade e, então, pintados de preto a fim de ficarem camuflados. (Luis Gomes/Minha Casa)

Corredor com cara de jardim Estrela do projeto, o pergolado é formado por vigas e pilares de cedro rosa fixados na alvenaria e no piso de pedra, e coberto por placas de vidro temperado de 10 mm. Aí, foi só caprichar na decoração e na escolha das plantas para fazer surgir o corredor mais querido da casa.

Estrela do projeto, o pergolado é formado por vigas e pilares de cedro rosa fixados na alvenaria e no piso de pedra, e coberto por placas de vidro temperado de 10 mm. Aí, foi só caprichar na decoração e na escolha das plantas para fazer surgir o corredor mais querido da casa. (Divulgação/Minha Casa)

Um quintal para desfrutar das flores e cultivar a fé De madeira jatobá, o pergolado de 3,50 x 3 x 2,50 m recebe tratamento com stain uma vez por ano, que protege da chuva e do sol. Uma trepadeira primavera deve cobrir a estrutura em breve. Embaixo dele, um singelo altar de pedra de São Francisco de Assis, santo de devoção da família.

De madeira jatobá, o pergolado de 3,50 x 3 x 2,50 m recebe tratamento com stain uma vez por ano, que protege da chuva e do sol. Uma trepadeira primavera deve cobrir a estrutura em breve. Embaixo dele, um singelo altar de pedra de São Francisco de Assis, santo de devoção da família. (Alexandre Battibugli/Minha Casa)

O pergolado coberto (de eucalipto e policarbonato translúcido) é a chave do sucesso: chova ou faça sol, dá para curtir a mesa externa. Cobogós (elementos vazados) pintados de branco e uma grade com 80 cm de altura prolongam o muro lateral. De quebra, ajudam a ventilar a área. Projeto de Ana Maria Mouawad.

O pergolado coberto (de eucalipto e policarbonato translúcido) é a chave do sucesso: chova ou faça sol, dá para curtir a mesa externa. Cobogós (elementos vazados) pintados de branco e uma grade com 80 cm de altura prolongam o muro lateral. De quebra, ajudam a ventilar a área. Projeto de Ana Maria Mouawad. (Divulgação/Minha Casa)

A fim de explorar visualmente o pergolado de alvenaria, as profissionais do L-Arki sugeriram colorir cada viga de um matiz de turquesa, formando um degradê. Os eleitos, todos da Coral, foram (do mais claro para o mais escuro): Verde Lagoa (ref. 90GG 74/092), Alga do Mar (ref. 90GG 66/157), Verde Asiático (ref. 90GG 51/211), Rei do Mar (ref. 90GG 38/242), Mar dos Golfinhos (ref. 90GG 27/273), Enfeite de Natal (ref. 90GG 15/398) e Botânico (ref. 90GG 11/295).

A fim de explorar visualmente o pergolado de alvenaria, as profissionais do L-Arki sugeriram colorir cada viga de um matiz de turquesa, formando um degradê. Os eleitos, todos da Coral, foram (do mais claro para o mais escuro): Verde Lagoa (ref. 90GG 74/092), Alga do Mar (ref. 90GG 66/157), Verde Asiático (ref. 90GG 51/211), Rei do Mar (ref. 90GG 38/242), Mar dos Golfinhos (ref. 90GG 27/273), Enfeite de Natal (ref. 90GG 15/398) e Botânico (ref. 90GG 11/295). (Luis Gomes/Minha Casa)

Os moradores queriam poder ver o céu e se sentir ao ar livre, por isso elegeram uma cobertura de policarbonato transparente – material mais leve e resistente do que o vidro. Já a estrutura de madeira, semelhante a um pergolado, foi feita com peroba reaproveitada da antiga cobertura da garagem, demolida durante a reforma.

Os moradores queriam poder ver o céu e se sentir ao ar livre, por isso elegeram uma cobertura de policarbonato transparente – material mais leve e resistente do que o vidro. Já a estrutura de madeira, semelhante a um pergolado, foi feita com peroba reaproveitada da antiga cobertura da garagem, demolida durante a reforma. (Gabriel Arantes/Minha Casa)

O serviço começou pela área da churrasqueira, que pedia uma cobertura. Toldo? Que nada! Os moradores preferiram montar um charmoso pergolado. Usaram os vidros temperados de uma antiga vitrine da ótica da família, que se encaixaram perfeitamente na estrutura feita de eucalipto.

O serviço começou pela área da churrasqueira, que pedia uma cobertura. Toldo? Que nada! Os moradores preferiram montar um charmoso pergolado. Usaram os vidros temperados de uma antiga vitrine da ótica da família, que se encaixaram perfeitamente na estrutura feita de eucalipto. (Ricardo Jaeger/Minha Casa)

Como é gostoso cuidar do jardim No gramado, a moradora dedicou um cantinho para as plantas, abrigadas sob um pergolado de pínus autoclavado. “Tentei cobrir a estrutura com trepadeira sapatinho-de-judia, mas ela não aguentou o clima, então optei pela tumbérgia lilás, que está crescendo bem”, diz a moça. No piso, pedrinhas de arenito amarelo demarcam a área.

No gramado, a moradora dedicou um cantinho para as plantas, abrigadas sob um pergolado de pínus autoclavado. “Tentei cobrir a estrutura com trepadeira sapatinho-de-judia, mas ela não aguentou o clima, então optei pela tumbérgia lilás, que está crescendo bem”, diz a moça. No piso, pedrinhas de arenito amarelo demarcam a área. (Pedro Fortes/Minha Casa)

O visual aconchegante da madeira comparece em várias peças – todas de material reaproveitado, a fim de reduzir custos. O pálete virou suporte para vasos, ripas se tornaram revestimento de parede e antigos caibros foram usados para fazer o pergolado, que quebra a insolação e oferece suporte ao cordão de lâmpadas que ilumina o ambiente. Projeto do escritório Elementar Arquitetura.

O visual aconchegante da madeira comparece em várias peças – todas de material reaproveitado, a fim de reduzir custos. O pálete virou suporte para vasos, ripas se tornaram revestimento de parede e antigos caibros foram usados para fazer o pergolado, que quebra a insolação e oferece suporte ao cordão de lâmpadas que ilumina o ambiente. Projeto do escritório Elementar Arquitetura. (Arquivo pessoal/Divulgação)

A pérgula, que oferece suporte para as trepadeiras, é indicada para ambientes com pé-direito de pelo menos 2,50 m. “Em áreas compactas, floreiras verticais e painéis de madeira com treliças são boas alternativas”, diz a paisagista Paula Galbi.

A pérgula, que oferece suporte para as trepadeiras, é indicada para ambientes com pé-direito de pelo menos 2,50 m. “Em áreas compactas, floreiras verticais e painéis de madeira com treliças são boas alternativas”, diz a paisagista Paula Galbi. (Foto Luis Gomes/Minha Casa)

O quintal delicioso que banha o interior da casa com luz natural. Projeto dos arquitetos Francesco Picciallo e Inara Pálinkás, do Brita Arquitetura.

O quintal delicioso que banha o interior da casa com luz natural. Projeto dos arquitetos Francesco Picciallo e Inara Pálinkás, do Brita Arquitetura. (Paulo Santos/Minha Casa)

Terraço: 17 m² de verdadeiro oásis Um pergolado de grápia marca este terraço em Porto Alegre: as vigas também comportam os ganchos da rede. Em vez de trocar o piso cerâmico, os moradores cobriram parte da área, de 17 m², com deque de pínus. Uma faixa de pedras de mármore deu o toque final. Projeto do arquiteto Márcio Verza.

Um pergolado de grápia marca este terraço em Porto Alegre: as vigas também comportam os ganchos da rede. Em vez de trocar o piso cerâmico, os moradores cobriram parte da área, de 17 m², com deque de pínus. Uma faixa de pedras de mármore deu o toque final. Projeto do arquiteto Márcio Verza. (Foto Ricardo Jaeger (Rs)/Minha Casa)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s